31 dezembro 2013

Viagens ao interior do Brasil 6 - crônicas cearenses

E ela regia o mar, apesar do seu pouco mais de um ano de vida. A sincronia com que o oceano respondia me deixou atordoado. Se apenas os outros ouvissem o que ela ouvia, entenderiam que a questão não era comando ou referência, estava mais para uma dança. Ela ouvia a música das esferas ecoando no mar, enquanto um navio com luzes de natal passava lentamente ao fundo da praia do futuro, um metrônomo movido a velas. Toda orla era sua plateia involuntária, e ela movia os braços com a seriedade que só têm as crianças brincando. O vento, na seção de sopros, con dolcezza, e na seção rítmica as ondas, compassando no ar, enquanto todo o Atlântico respondia às batutas invisíveis que giravam a pouco mais de setenta centímetros do chão.

1 Comments:

OpenID ladrilhodissoluto said...

feliz ano novo irmão querido =)

1:14 AM  

Postar um comentário

<< Home